Google atualiza guia de SEO para iniciantes

Em 2024, Google adiciona novos conteúdos, remove temas considerados muito avançados e dá mais clareza para termos técnicos

O Guia de SEO para iniciantes do Google agora está mais compacto e focado nos iniciantes que querem aprender a ranquear seus sites na pesquisa orgânica. O objetivo da documentação tornou-se explicar no que focar e por que trabalhar.

Para isso, alguns tópicos foram completamente removidos, como dados estruturados e análises de desempenho. Outros temas foram reescritos de forma mais simples, sem jargões ou linguagem técnica.

Também há novas seções de conteúdo, incluindo respostas para perguntas frequentes, como “quanto tempo demora para SEO dar resultado?”

Acompanhe abaixo a relação completa de alterações: 

Mudanças no guia de SEO para iniciantes do Google

Em geral, as mudanças tornam o guia mais fácil de ler e fortalecem a comunicação com o público-alvo do documento: donos de sites sem conhecimento técnico em SEO.

Os seguintes conteúdos foram removidos:

  • Glossário: agora os termos são explicados no contexto em que aparecem.
  • Dados estruturados: é considerado um tema avançado.
  • Otimização para dispositivos móveis: a maioria dos novos sites e plataformas naturalmente já é responsiva.
  • Análises de desempenho: também é considerado um tema avançado.

Já os conteúdos a seguir foram reduzidos por serem considerados muito densos ou já serem abordados em documentação externa:

  • “Como ver se o site está no Google”: guias desta natureza foram resumidos, assim como as dicas do que fazer se o site não estiver indexado. Importância de SEO: estão apenas em um documento externo.
  • Títulos e snippets: os guias foram simplificados. 
  • “Como NÃO aparecer nas buscas do Google”: as informações foram simplificadas por não serem tão relevantes para o público-alvo do guia. 
  • Guias sobre links: foram resumidos, com mais ênfase em porquê fazer ou não fazer certas ações.
  • Como promover um site: a seção aponta agora para o guia do Google para Criadores.
  • Navegação: recomendações sobre navegação, páginas 404 e configuração de navegação estrutural foram reduzidas, por não serem tão relevantes para iniciantes.

Agora, confira os conteúdos que foram adicionados:

  • Conteúdo duplicado: o guia recomenda reduzir duplicado como parte da manutenção da estrutura do site. 
  • Otimização para vídeos: diretrizes básicas sobre otimizações de vídeo na pesquisa orgânica.
  • Teorias e ideias comuns sobre SEO: pela primeira vez o buscador documentou “mitos sobre SEO”.
  • Tempo para medir impacto de SEO: indicações sobre quanto tempo leva para ver resultados em ações de SEO. 

Por enquanto, os novos conteúdos estão apenas na versão em inglês do guia. Veja abaixo os principais pontos sobre eles:

Conteúdo duplicado

Quando um site mostra o mesmo conteúdo em diferentes URLs, o Google considera este conteúdo duplicado.

Segundo O guia de SEO para iniciantes, esta é uma má prática de SEO e experiência do usuário. 

As recomendações são as seguintes: 

  • Se certificar de que cada conteúdo é acessível por apenas uma URL.
  • Evitar copiar o mesmo conteúdo em duas ou mais páginas.
  • Se for realmente necessário ter o mesmo conteúdo em diferentes páginas, tentar redirecionar o visitante para uma URL que represente o conteúdo.
  • Se não puder fazer esse redirect, deve-se usar o elemento rel=”canonical”. O guia considera este um “último caso”, já que requer um conhecimento um pouco mais avançado.

Otimização para vídeos 

É uma parte curta, com dicas rápidas para posicionar vídeos na pesquisa orgânica.  O guia de SEO para iniciantes indica:

  • Criar conteúdo de alta qualidade e incorporar o vídeo em uma página de tema relevante.
  • Escrever textos descritivos para título e descrição do vídeo. 
  • Ler o guia completo de otimização de vídeos se o site for focado neste tipo de conteúdo. 
Captura de tela com quatro mockups demonstrando a pesquisa de vídeo do Google em smartphones
Exemplos de resultados em vídeo na pesquisa orgânica

Teorias e ideias comuns sobre SEO

O Google chama este tópico de “coisas com as quais você não deveria se preocupar”. São ideias equivocadas, mas que as pessoas repetem com frequência, ou estratégias que funcionaram no passado e hoje não são relevantes.

Os principais pontos são:

  • O Google não usa meta tags para palavras-chaves. 
  • Repetir palavras-chave em excesso não ajuda a se posicionar no Google, e é considerado má prática de experiência de usuário.
  • Inserir palavras-chave no nome do site ou do domínio não tem grande influência em SEO. A indicação é escolher o nome do site com base em boas práticas de marketing.
  • Não há um “tamanho mágico” para fazer um conteúdo ranquear bem no Google. Mas, quanto mais completo o conteúdo, para mais palavras-chave você tende a ranquear. 
  • Não faz diferença usar subdomínios (blog.seohappyhour.com, por exemplo) ou subdiretórios (seohappyhour.com/blog/texto, por exemplo).
  • Linkagem não é o único fator relevante para ranqueamento. É apenas um dos muitos critérios.
  • Conteúdo duplicado não gera penalidades. Isso significa o mesmo conteúdo acessível por diferentes URLs, não plágio ou cópia indevida.
  • Quantidade e ordem de heading tags em um texto é bom para experiência do usuário, mas não interfere diretamente na forma como o Google lê o conteúdo do site.
  • O indicador E-E-A-T é relevante, mas não é considerado um fator de ranqueamento.

Tempo para medir impacto de SEO

A nova versão do guia esclarece que não é possível definir uma janela de tempo específica para ver o resultado de ações de SEO. Algumas mudanças podem fazer efeito em horas, outras podem levar vários meses.

A indicação dada pelo Google é: “em geral, você deve esperar algumas semanas para ver se o seu trabalho surtiu efeito nos resultados da pesquisa do Google. Tenha em mente que nem todas as mudanças geram impacto; se você não estiver satisfeito com seus resultados, e sua estratégia de negócios permitir, tente fazer ciclos de repetição e veja se faz diferença”. 

Aprendizados do guia de SEO para iniciantes

O novo guia de SEO segue boas práticas gerais de produção de conteúdo, como estrutura coesa e linguagem adequada ao público-alvo. Ou seja, o próprio Google reconhece a relevância dos conteúdos de alta qualidade.

Compartilhamos alguns aprendizados do guia de SEO em nossa newsletter. São princípios que estão no guia e você pode replicar nas suas páginas: 

  • Os links devem apontar para páginas relevantes, que complementam a informação. 
  • O conteúdo deve estar ordenado de forma lógica para facilitar a leitura.
  • Foque no tópico e no público-alvo
  • Conteúdo sucinto e direto facilita a leitura. Abrangência deve ser utilizada com estratégia, sem “encheção de linguiça”.
  • Unidade visual gera mais confiança. Prefira elementos audiovisuais que se conectam.
Ilustração demonstrando arquitetura de páginas no Google, com uma página central de e-commerce, e três subpáginas, organizadas por flechas coloridas
Exemplo de estrutura de site recomendado pelo Google

__

Gostou deste conteúdo? Então acompanhe por aqui as novidades sobre SEO! Inscreva-se em nossa newsletter, acompanhe nosso podcast e nos siga no LinkedIn.

Comentários

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *