Google Bard: o que vem por aí com o chatbot com IA do Google

Chatbot do Google recebeu melhorias e novas funcionalidades e promete entregar uma boa experiência com IA generativa

Quem se lembra do Bard? O chatbot do Google, criado para bater de frente com o Chat GPT da OpenAI, foi lançado há menos de dois meses, em meio a falhas desastrosas e muitas promessas. Neste período, a plataforma ficou em teste e agora tem mudanças vindo aí.

O Google publicou uma notícia, afirmando que desde o lançamento do Bard eles receberam muitos feedbacks e estão se adaptando rapidamente para garantir uma melhor experiência aos usuários. Recentemente, eles transferiram o Bard para o PaLM 2, modelo de linguagem grande mais capaz, o que possibilitou muitas melhorias na plataforma, incluindo habilidades avançadas de matemática, raciocínio e capacidades de programação. 

Ampliando o alcance do Bard

Agora que o chatbot recebeu melhorias e conta com mais recursos do que na versão de lançamento, o Google que levar o Bard à mais pessoas. Por isso, estão removendo a lista de espera para uso da plataforma e disponibilizando-a para mais de 180 países e territórios. O Bard agora está disponível em inglês, japonês e coreano, e em breve oferecerá suporte a 40 idiomas. 

A preocupação principal do Google é em oferecer qualidade neste novo modelo de plataforma. Segundo a big tech, os grandes modelos de linguagem ainda são uma tecnologia nova com limitações conhecidas. Portanto, à medida que expandem ainda mais, continuarão a manter os altos padrões de qualidade e nuances locais, ao mesmo tempo em que garantem aderência aos Princípios de IA.

Tornando o Bard mais visual 

Em breve, o Bard se tornará mais visual em suas respostas e sugestões. As pessoas poderão fazer perguntas como “Quais são os pontos turísticos imperdíveis de Nova Orleans?” e, além da resposta em texto, receberão imagens ricas desses pontos turísticos, para que se tenha uma ideia muito melhor do que está explorando.

Consulta do Bard perguntando sobre pontos turísticos imperdíveis em Nova Orleans. Os resultados mostram imagens e texto.

Utilizando o Google Lens, será possível realizar consultas no Bard usando imagens juntamente ao texto pesquisado. Um exemplo de uso da funcionalidade seria fazer o upload de uma foto dos seus cachorros e pedir ao Bard para criar uma legenda engraçada sobre eles. O Bard analisará a foto, detectará as raças dos cachorros e criará algumas legendas criativas – tudo em questão de segundos.

Animação mostrando uma foto de dois cachorros e em seguida uma sugestão do Bard pedindo para criar uma história engraçada estrelada pelos cachorros.

Melhorias em programação e recursos 

A fim de construir uma plataforma mais completa, o Google está incluindo algumas melhorias sugeridas pelos desenvolvedores. São elas: 

  • Citações de fontes: A partir da próxima semana, as citações serão ainda mais precisas. Se o Bard apresentar um bloco de código ou citar outro conteúdo, basta clicar na anotação e ele sublinhará essas partes da resposta e fornecerá um link para a fonte;
  • Tema escuro: o tema escuro é mais um recurso solicitado pelos desenvolvedores e que o Google acha que ajudará a tornar a interação com o Bard muito mais fácil visualmente;
  • Botão “Exportar”: os desenvolvedores adoram o recurso de exportar para o Colab, então em breve o Google irá incorporar a capacidade de exportar e executar código com o parceiro Replit, começando com Python.

As pessoas frequentemente pedem ao Bard um ponto de partida para redigir e-mails e documentos. Pensando nisso, o Google está lançando mais duas ações de exportação, tornando fácil mover as respostas do Bard diretamente para o Gmail e Docs.

Conectando o Bard com outros serviços

Futuramente, o Google quer introduzir novas maneiras de alimentar a imaginação e curiosidades das pessoas integrando o Bard com os aplicativos e serviços do Google, como o Docs, Gmail, Drive, Maps, entre outros. 

O Bard também poderá acessar todos os tipos de serviços da web, com extensões de parceiros externos. Nos próximos meses, o Google vai integrar o Adobe Firefly, a família de modelos de IA generativa criativa da Adobe, ao Bard, para que o usuário consiga transformar suas próprias ideias criativas em imagens de alta qualidade, podendo editar ainda mais ou adicionar aos designs no Adobe Express.

E aí, o que você achou das novidades do Google Bard? Está ansioso para usar? Apesar das expansões, a plataforma ainda não está disponível no Brasil 🙁 

Comentários

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *